Um ônibus corta a noite entre Caraguá e São Sebastião. Pela janela, vou vendo os pontos de parada se sucedendo e, câmera na mão, vou registrando um a um. Em todas as paradas as pessoas estão presentes, mesmo naquelas que mostram lugares vazios, com a pintura descascada, sujos, pichados. A presença humana é que confere sentido a todos esses espaços, pontos de parada. É uma presença triste; na maior parte das vezes, solitária. Aguarda sonâmbula a chegada do ônibus que a levará de volta à casa. Vai entrar em outro espaço, cheio de luzes, ofuscando a vista; vai se sentar ao lado de outra pessoa ou, se o ônibus estiver cheio, ficar em pé, se encostando em outras pessoas.
Mas, apesar de todos juntos, seguirão todos separados, imersos numa alienação que não percebe, não reconhece o outro. Ninguém diz boa noite ou como vai, ninguém diz nada. 
Apesar de haver mais luz, é o clima lúgubre do ponto onde se espera que prevalece. Clima de sonho, beirando o pesadelo. É disso que essas fotos falam.

© 2015 Márcio Pannunzio  

  • Twitter Clean
  • Flickr Clean